não saber

todas as noites não saber
em que hora parar
em que degrau de sombra
largar o recado para o nada
que nos queima
as mãos

gil t. sousa